Home  Quem Somos  Cadastre-se  Anuncie no Rural News  Fale Conosco 
Busca
 

 

 
Enquete
Qual a sua área de atuação profissional?
Agricultura
Pecuária
Agricultura e Pecuária
Outra área dentro do setor rural
Fora do setor agropecuário

 

 Indique este site

Benefícios da correta suplementação na recria de bovinos

autor: Lucia Nunes - LN Com. - Guabi Nutrição e Saúde Animal
data: 28/04/2016

Do nascimento até o momento do abate, o animal passará pelas fases de cria, recria e engorda. Um grande número de propriedades faz o ciclo completo, enquanto outras realizam duas ou somente uma das fases.

Na fase de cria, o peso a desmama é um índice zootécnico essencial para mensurar a eficiência da propriedade. Nos últimos anos, avanços tecnológicos (genética e nutrição) possibilitaram o incremento no peso a desmama dos bezerros. Desmamar um animal mais pesado proporciona ao criador maior remuneração, caso ele venda os animais para propriedades de recria, ou reduzirá a idade de abate, se o pecuarista realizar o ciclo completo.

No momento atual, caracterizado pelo elevado valor da arroba do bezerro, é fundamental maximizar o ganho de peso desta categoria animal. Em fazendas que se preocupam com tal categoria, não é incomum observar bezerros desmamados acima de 210 kg, aos oito meses de idade.

Para obtenção deste índice, normalmente vacas permanecem em pastos com boa oferta e qualidade de forragem, o que permite nascimentos no início do período chuvoso. Algumas propriedades adotam o sistema de alimentação privativa, popularmente conhecido como creep-feeding. Neste sistema, bezerros normalmente recebem um suplemento proteico/energético, que propicia ganho adicional de aproximadamente uma arroba até a desmama.

Estes bezerros, no pós-desmama (fase de recria), representam o principal desafio para os pecuaristas. Dentre os motivos, que explicam esta afirmação, estão: estresse “emocional” da separação, estresse pela mudança de ambiente e, principalmente, déficit nutricional.

O déficit nutricional é decorrente do momento da desmama, o qual coincide com o início do período seco, caracterizado pela menor oferta e qualidade das forragens. Infelizmente, em muitos casos, os animais desmamados são conduzidos para os piores pastos da propriedade, visto que as melhores áreas normalmente são destinadas aos animais já em fase de engorda.

É compreensível em propriedades destinadas as fases de recria e engorda, que os melhores piquetes sejam utilizados por animais que serão abatidos naquele ano. No entanto, ao disponibilizar aos animais recém desmamados a forragem de menor valor nutricional, o pecuarista precisa estar ciente do baixo desempenho que os animais apresentaram, principalmente se provenientes de um plano nutricional que contemplava a suplementação proteica, energética e mineral.

Portanto, assim como ocorre nas demais fases da criação, é necessário estabelecer um plano nutricional para a fase de recria. Esta fase contempla duas estações (seca e águas) e, normalmente, tem duração de 12 meses. O pecuarista precisa estabelecer quantas arrobas os animais ganharão neste período. Para maximizar o uso da terra, são necessárias pelo menos seis arrobas em 365 dias. Algumas propriedades estabelecem metas de sete arrobas, no mesmo período.

Se a meta for seis arrobas na recria, considerando seis meses de estação seca e necessidade de ganho de 30 a 45 kg de Peso Vivo no período, os animais precisarão ganhar, respectivamente, 165 e 250 g/dia. Já na estação chuvosa, nos seis meses consecutivos, é necessário atingir de 135 a 150 kg de Peso Vivo no período, o que corresponderá a 750 e 830 g/dia, respectivamente.

Para o cumprimento destas metas, no período seco, é fundamental a suplementação, pelo menos, com um proteinado de baixo consumo (pelo menos 1,0 g/kg de Peso Vivo), com no mínimo 30% de Proteína Bruta. No entanto, se o ganho de peso esperado for superior a 45 kg em 180 dias, é recomendado o fornecimento de um suplemento proteico/energético com pelo menos 30% de Proteína Bruta, cujo consumo irá variar de 2,0 a 3,0 g/kg de Peso Vivo.

No período das águas, visando ganho de peso superior aos tradicionais 500 g/dia, é fundamental o fornecimento de um suplemento que além de minerais, forneça proteína e energia. Estes suplementos, preferencialmente composto de proteína verdadeira (farelos), propiciam ganhos diários adicionais próximos de 300 g/dia, a partir de um consumo de 1,5 a 2,0 g/kg de Peso Vivo. Em função da maior qualidade da forragem, não há necessidade de se trabalhar com suplementos com teor de proteína bruta superior a 20%.

Estabelecer uma meta para a atividade, executar um plano nutricional condizente com a meta preconizada e a avaliação econômica do projeto, certamente permitirá ao pecuarista uma tomada de decisão mais precisa.

Para justificar o valor investido na criação/aquisição bezerro e agregar valor no momento da venda/engorda, é primordial uma recria bem executada. Qualquer erro na recria, poderá apagar o benefício da cria e comprometer o resultado na engorda/terminação.

« voltar

Indique a Matéria
Seu Nome:
Seu Email:
Nome do Amigo:
Email do Amigo:
Comentários:

 

 

Publicidade
Info Rural News
Proibida a cópia e reprodução total ou parcial por qualquer meio ou processo, sem autorização expressa do Ruralnews.
Copyright 2005. © RuralNews - Todos os Direitos Reservados. Desenvolvido por Pontaweb