Home  Quem Somos  Cadastre-se  Anuncie no Rural News  Fale Conosco 
Busca
 

 

 
Enquete
Qual a sua área de atuação profissional?
Agricultura
Pecuária
Agricultura e Pecuária
Outra área dentro do setor rural
Fora do setor agropecuário

 

 Indique este site

Coelhos - Sua Criação e Origem

autor: Redação RuralNews
data: 16/08/2017

 
Atualmente, o coelho se encontra espalhado por todo o mundo e sua criação comercial ou industrial vem se desenvolvendo de maneira rápida, ano após ano, principalmente na Europa e nos Estados Unidos.

No Brasil, o sucesso da cunicultura se traduz, não só pela sua rápida expansão em termos de volume e número de criadores, mas também pela melhoria do seu padrão zootécnico, com plantéis de alta seleção e rentabilidade.

Criar coelhos no Brasil é um bom negócio porque:

- há um mercado potencial muito maior do que o atendido pela produção atual;

- há mercado para qualquer quantidade de peles e de seus subprodutos;

- no Brasil, os coelhos se reproduzem durante o ano inteiro, o que não ocorre em outros países;

- os preços vigentes são compensadores, deixando boa margem para lucros;

- a procura por carnes alternativas à bovina vem aumentando dia a dia;

- devido ao seu pequeno período de gestação, de 30 dias, e sua precocidade, é possível obter vários partos por ano, o que permite um rápido giro de capital;

- os pedidos de exportação para países como França, Estados Unidos, Japão, etc., são muitas vezes superiores à atual capacidade de produção de coelhos no Brasil, o que vem impedindo grandes exportações de carne, fazendo com que milhões de dólares deixem de vir para o Brasil.

Origens

O coelho doméstico descende do coelho selvagem europeu (Lepus Cuniculus), não havendo dúvidas a esse respeito.

Excetuando-se a diferença entre o temperamento calmo do coelho doméstico e o arisco do coelho selvagem, não há diferenças acentuadas entre eles, em relação à sua anatomia, fisiologia e fatores hereditários.

Para confirmar tais afirmações, basta citar o fato de que se prendermos filhotes de coelhos selvagens, eles ficam logo mansos e fáceis de domesticar, mas conservam sempre uma grande tendência à volta ao seu estado selvagem. O contrário ocorre com o coelho doméstico que, quando solto na natureza, retorna com grande rapidez aos seus hábitos selvagens.

Do mesmo tronco, isto é, do coelho selvagem europeu, foram obtidas numerosas raças que variam muito no peso, indo desde os pequeninos coelhos das raças anãs, com menos de 1kg, até os das raças gigantes, cujos exemplares atingem mais de 10kg, o que significa várias vezes o peso de seus ancestrais. Também, grandes e profundas foram as modificações na cor do manto e dos olhos, bem como no comprimento dos pêlos e das orelhas.

Podemos dizer mesmo que, com exceção talvez do cão, nenhum outro animal sofreu tantas e tão profundas modificações durante o seu processo de domesticação.

Confúcio, o grande sábio chinês, 2.500 anos antes da Era Cristã, segundo Charles Darwin, já se referia à existência do coelho na China dos Mandarins.

O coelho, segundo a maioria dos autores, é originário da península Ibérica, mais precisamente da Espanha, embora alguns o julguem proveniente do Norte da África, de onde passou para a Europa e outros, ainda, acreditam que a sua origem tenha sido o sul da Europa.

Nas regiões montanhosas da Arábia Saudita, Síria e Palestina, existe um pequeno animal muito parecido com o coelho e conhecido por sphan, o que provavelmente levou os fenícios a denominarem de Sphania, que quer dizer costa dos coelhos, a região em que desembarcaram, hoje Espanha, tal a quantidade de coelhos que aí se encontram e que confundiram com o sphan, aquele roedor do oriente.

« voltar

Indique a Matéria
Seu Nome:
Seu Email:
Nome do Amigo:
Email do Amigo:
Comentários:

 

 

Publicidade
Info Rural News
Proibida a cópia e reprodução total ou parcial por qualquer meio ou processo, sem autorização expressa do Ruralnews.
Copyright 2005. © RuralNews - Todos os Direitos Reservados. Desenvolvido por Pontaweb