Home  Quem Somos  Cadastre-se  Anuncie no Rural News  Fale Conosco 
Busca
 

 

 
Enquete
Qual a sua área de atuação profissional?
Agricultura
Pecuária
Agricultura e Pecuária
Outra área dentro do setor rural
Fora do setor agropecuário

 

 Indique este site

Tipos de piscicultura

autor: Redação RuralNews
data: 28/09/2017

Na criação de peixes, como na maioria das atividades pecuárias, os criadores podem optar por alguns modelos ou tipos de criação: criação extensiva, semi-intensiva e intensiva. Estas definições são aplicadas às criações, tendo em vista suas características produtivas, métodos empregados e tipo de produção obtida. Daremos a seguir uma breve explicação sobre os sistemas de criação mais utilizados:

 
Criação extensiva

Neste sistema de criação, o piscicultor costuma "aproveitar" instalações já existentes, como açudes, lagos naturais, etc. Não há uma grande preocupação com a técnica a ser utilizada. Os peixes são criados de maneira totalmente natural, obtendo seu alimento diretamente do ecossistema encontrado no ambiente da criação.

Com isso, os resultados nem sempre são satisfatórios e nunca podem ser comparados aos obtidos em criações que utilizam outros sistemas, considerados mais "profissionais". O aproveitamento das áreas não é eficiente e a qualidade dos peixes não é comercialmente competitiva.

É uma atividade que pode ser desenvolvida como secundária em uma propriedade rural. Desta forma, só podemos considerá-la interessante se criarmos peixes em locais que estavam improdutivos fazendo, assim, o aproveitamento de um lago ou açude e criando uma renda extra para o produtor rural.

Criação semi-intensiva

Na criação semi-intensiva, o piscicultor já desenvolve uma atividade profissional, visando obter resultados comerciais com um nível técnico mais elevado e, com isso, obtendo bons lucros.

São utilizados tanques ou viveiros especialmente construídos para esta atividade, há uma grande preocupação com a fertilização da água e com a alimentação dos peixes, para que estes possam obter todos os nutrientes necessários para seu pleno desenvolvimento.

Normalmente, a alimentação dos peixes é feita de maneira natural, pois estes consomem os alimentos e nutrientes encontrados naturalmente dentro dos tanques e, além disso, também consomem alimento artificial.

O tamanho dos tanques ou viveiros podem variar de 200 metros quadrados até mais de 10 hectares. O povoamento dos tanques é grande se compararmos com a quantidade de peixes em uma mesma área, em uma criação extensiva. Entretanto, os criadores não trabalham com grande adensamento neste tipo de criação, pois implicaria, entre outros, em maiores custos com alimentação artificial.

Criação intensiva

Este é o sistema no qual o criador emprega o maior nível técnico possível. Além das técnicas utilizadas no sistema semi-intensivo, já citadas, devemos ressaltar que apenas um tipo ou espécie de peixe é criada em cada tanque e com um grau de adensamento populacional elevado. Com isso, faz-se necessário que a alimentação utilizada seja totalmente artificial, com rações balanceadas que podem proporcionar o máximo desenvolvimento aos peixes.

Também são utilizados pelos criadores filtros biológicos, que mantém a qualidade da água e ajuda na manutenção do suprimento de oxigênio. Aliás, a oxigenação da água é cuidada e garantida através de uma série de técnicas e processos, pois com um grande número de peixes numa mesma área, o suprimento de oxigênio ficaria comprometido, caso não fossem utilizadas técnicas artificiais para garanti-lo.

« voltar

Indique a Matéria
Seu Nome:
Seu Email:
Nome do Amigo:
Email do Amigo:
Comentários:

 

 

Publicidade
Info Rural News
Proibida a cópia e reprodução total ou parcial por qualquer meio ou processo, sem autorização expressa do Ruralnews.
Copyright 2005. © RuralNews - Todos os Direitos Reservados. Desenvolvido por Pontaweb