Home  Quem Somos  Cadastre-se  Anuncie no Rural News  Fale Conosco 
Busca
 

 

 
Enquete
Qual a sua área de atuação profissional?
Agricultura
Pecuária
Agricultura e Pecuária
Outra área dentro do setor rural
Fora do setor agropecuário

 

 Indique este site

A desova das rãs

autor: Redação RuralNews
data: 13/11/2013

 
Quando vai chegando a hora da desova, o macho sai do tanque de reprodutores, vai para o tanque de desova e começa a coaxar, chamando a fêmea. Esse tanque é sem vegetação, limpo e bem raso, com 20cm de profundidade, no máximo, o que é de grande importância pois a água fica mais oxigenada e mais aquecida pelo sol, com uma temperatura mais elevada e mais adequada para a desova, para a fecundação e para o início da clivagem, ou "incubação". Além disso, sua temperatura média é mais constante, evitando quedas bruscas que podem, quando atingirem uma variação de 10 ºC, não só prejudicar mas até matar as desovas.

É nesses tanques que ocorre 99% das desovas. Segundo observações, 90 a 95% delas ocorrem pela manhã e só devem ser colhidas na parte da tarde, das 12 às 14 horas do mesmo dia. Os tanques de desovas têm eficiência de 84%. Águas muito sujas ou poluídas, frias ou a baixas temperaturas, podem inibir (reter) a desova.

Desovas em bola
São assim chamadas as desovas que não possuem a substância ou camada gelatinosa o que, às vezes, pode ocorrer. Neste caso, os ovos se ajuntam e afundam, com o perigo de morte para todos eles. São, em geral, de difícil fecundação. Neste caso, devemos colhe-los com a mão.

As desovas podem ser realizadas, também, nos tanques de reprodutores e devem ser aproveitadas para a produção de girinos de corte, para os destinados à alimentação de rãs e girinos e para a produção dos chamados "girinos estocados", também utilizados como alimentos para elas.

A desova da rã touro
A rã touro, na primeira desova, produz 2.000 a 5.000 ovos, mas com a média de 3.000 a 4.000 enquanto que, nas seguintes, os números vão subindo gradativamente, podendo chegar a 25.000. Os ovos ficam dentro de cordões gelatinosos que, reunidos, formam verdadeiras mantas ou lençóis circulares gelatinosos (albuminosos) formados por um líquido incolor, mas não espumoso como em outras rãs como as pimentas, paulistinhas, mirins, etc., pois as rãs touro não batem com as patas para formar essa espuma.

As desovas da rã touro medem 0,40 a 0,60cm², ficam flutuando na água e se fixam na vegetação ou margens dos tanques. Quando afundam, em geral, morrem. As desovas dos sapos são bem diferentes, porque não ficam em espuma, mas em cordões ganglionados (como gânglios ou caroços) enquanto que as das pererecas tomam a forma ou aspecto de ragu ou tapioca. Os ovos que invertem sua posição voltam à posição normal, se não afundarem pois, nesse caso, morrem.

Número de desovas
As rãs podem desovar somente por um dos ovários e, mais tarde, na mesma temporada de reprodução, pelo outro, fazendo, dessa forma, duas desovas em épocas diferentes. Para efeito de cálculos, devemos considerar somente uma desova por ano. Enquanto a fêmea descansa da postura, o macho toma conta da desova ou ninho. A desova é considerada fértil quando o corpo apical do ovo escurece, ficando da mesma cor homogênea e escura do resto do ovo. Não devemos fazer a coleta da desova enquanto isso não acontecer. Se de um dia para o outro não houver essa mudança de cor, significa que a desova não foi fecundada, que é estéril. Quando isso ocorre, os criadores dizem que a "rã abortou".
 
 

 
 

« voltar

Indique a Matéria
Seu Nome:
Seu Email:
Nome do Amigo:
Email do Amigo:
Comentários:

 

 

Publicidade
Info Rural News
Proibida a cópia e reprodução total ou parcial por qualquer meio ou processo, sem autorização expressa do Ruralnews.
Copyright 2005. © RuralNews - Todos os Direitos Reservados. Desenvolvido por Pontaweb